domingo, 13 de abril de 2014

Creepypastas: The Rake

      

  Eu estava animado naquele dia. Meus pais iriam viajar e eu teria a casa toda pra mim por uma semana, além disso, eu estava de férias, então eu estava empolgado. Já corri para o computador para ver alguns vídeos, depois que meus pais foram embora. Fiquei no PC até bem tarde. Depois de um tempo, fui dormir.
        Mas não dormi muito bem. Eu me sentia desconfortável. Como se... como se houvesse uma presença em meu quarto.
       Eu acordei às duas da tarde. Vendo que era tarde, peguei qualquer porcaria para o almoço. Eu ainda não me livrava daquela sensação de observação, perseguição. Era como se tivesse mais alguém na casa, mas eu não pudesse ver. Eu estava um pouco assustado. Na noite seguinte, a sensação continuou, não dormi muito bem. No dia seguinte, joguei uma maratona de games violentos e me acalmei bastante. Mas a partir da terceira noite as coisas começaram a ficar realmente estranhas.
    Eu acordei durante a noite, em um estado meio dormindo, meio acordado. Quando acordei, eu reparei que, estranhamente, meu guarda roupa estava aberto, e eu o havia deixado fechado. E foi aí que eu vi o que estava dentro do guarda roupa.
    Dois olhos brilhantes me observando na escuridão.
    Então, de alguma forma, eu apaguei.
    Acordei muito assustado no dia seguinte. Peguei minhas revistas em quadrinhos e li o dia inteiro, mas não me livrava da sensação de medo. Nas duas noites seguintes, eu tive um pesadelo com alguma criatura estranha. Eu não conseguia tirar aquilo da cabeça, então joguei as características da coisa num site de busca e achei algo sobre uma criatura conhecida como o rake. Pelo que disseram, eles escolhe determinadas pessoas e as observa durante o sono.
    Mas então ele está me observando? ele me escolheu? por quê? o que ele quer de mim?
    Mas a quinta noite foi a pior.
    Eu acordei novamente no meio da noite, e dessa vez o vi claramente. Sentado na minha cama. branco, enorme, assustador e com certeza não humano. Então ele se virou pra mim, e eu pude ver seu olhos. Mas dessa vez eles não brilhavam. Eram apenas orbitas vazias, olhando pra mi com um prazer macabro. De alguma forma, eu arranjei forças para perguntar:
 -Quem é você?
Ele aproximou seu rosto do meu, deixou sua boca bem perto de meu ouvido, e então respondeu:
 - Eu sou a entidade que te observa.


   
Olá meus leitores. Tudo bem com vocês? bom, a creepy apresentada hoje não se trata de um trabalho já existente que peguei de outro blog, mas sim de um trabalho original de um grande amigo meu, irmão do seguidor Red Mist, Eu apenas fiz algumas adaptações. Então, o credito é dele e de mais ninguém. Ele deve estar criando um canal no youtube em breve, e, se isso acontecer, provavelmente fecharemos parceria. Aguardem.
Já sabem. Se gostaram, sigam o blog, divulguem e comentem! sua opinião é importante! diga o que você acha da série creepypastas e quais você quer ver aqui nos próximos meses. Muito obrigado por lerem e acompanharem e até o próximo post.

E a propósito, se você acordar durante a noite, melhor não olhar o pé da sua cama...

sexta-feira, 14 de março de 2014

Creepypastas: hypno's lullaby






O vasto mundo de pokemon é cercado de mistérios e histórias macabras. Ash em coma, jogos malignos, pokemons mistériosos e lavender town são apenas alguns deles. Mas poucos mistérios são tão intrigantes quanto o da misteriosa música "hypno's lullaby". Para entendermos a música, precisamos primeiro entender quem é hypno.
Hypno é um misterioso pokemon psiquíco que carrega um dispositivo pendular, ele é a evolução do pokemon drownzee e possui a habilidade de hipnose.
Drowzee (acima) e sua forma evoluída, Hypno.

drowzee(acima) e sua versão evoluída, hypno.


A versão mais contada e aceita da creepypasta diz que a música foi criada por fãs baseado na descrição desse pokemon na pokedex, no remake da versão redfire para game boy advance.
A descrição é:
"It carries a pendulum-like device. There once was an incident in which he took away a child it hypnotized"
E em português:
"ele carrega um dispositivo pendular.  Uma vez houve um incidente no qual ele levou uma criança que hipnotizou".
Segue abaixo a canção:


 No entanto,outra versão da creepypasta diz que ele hipnotizava crianças para que elas o seguissem e assim sumia com elas para sempre.

Também é possível notar que a música tocada ao fundo, enquanto hypno canta sua canção, é a música de lavender town.

 Mas por que ele sequestra crianças?
E para onde as leva?
a letra da canção corrobora essa versão da creepypasta e também responde algumas questões:

"Come little children, come with me
Safe and happy you will be
Away from home now let us run
With Hypno you'll have so much fun

Oh little children, please don't cry
Hypno wouldn't hurt a fly
Be free to frolick, be free to play
Come with me to a cave to stay

Oh little children, please don't squirm
This ropes I know will hold you firm
Now look to me the pendant calls
Back and forth your eyelids fall

Oh little children you can not leave
For you your families will grieve
Minds unraveling at the seems
Allowing me to haunt their dreams

Do not wail, and do not weep
It's time for you to go to sleep
Little children you were not clever
Now you'll stay with me, forever"
em português fica assim:

"Venham criancinhas, venham comigo
felizes e seguras vocês estarão
para longe de suas casas agora correremos
com hypno, vocês terão muita diversão

Oh criancinhas, por favor não chorem
hypno não machucaria uma mosca
seja livre para correr, seja livre para brincar
venha comigo para na minha caverna ficar
Oh criancinhas, por favor não se contorçam
essas cordas, eu sei, vão segurá-las firme
agora olhem para mim, o pêndulo chama
para frente e para trás, suas pálpebras fecharão
oh criancinha, vocês não podem sair
por vocês suas famílias sofrerão
mentes desfazendo-se nas aparências
permitindo-me assombrar seus sonhos

Não grite, e não chore
é hora de você ir dormir
oh criancinhas, vocês não foram espertas
agora ficarão comigo para sempre"


E os mistérios não acabam aí, há também essa creepypasta ou relato:




"Hypno no pokemon FireRed (# 97 na pokedex). Entrada "ele carrega um dispositivo pendular. Houve uma vez um incidente em que ele levou uma criança que hipnotizou".

 Eu não esperava encontrar isso quando eu joguei o jogo pokemon FireRed que encontrei na internet.
eu estava animado porque tinha perdido minha versão mais antiga do FireRed. Comecei o jogo com o nome usei anteriormente em outros jogos, "Cassie". Primeiro escolhi meu bulbassauro e continuei com ele ao longo do jogo, como faria normalmente
.
Eu não sabia o que esperar enquanto estava duelando para chegar á elite four.
Eu encontrei uma caverna escondida em um dos lados da montanha. Eu não me lembrava que ela existia na versão que eu havia jogado antes.Eu então abri o guia do jogo para ver se ela estava no mapa e não a encontrei. Eu logo pensei que era uma versão hackeada do FireRed.
Fiquei animado por poder explorar um novo local e rapidamente cortei as árvores que estavam em frente para poder explorar a caverna.
O nome da gruta era "caverna lullaby" e tinha uma música estranha tocando, uma música que eu havia ouvido antes, na cidade de lavender town. A música tocava apenas na caverna e isso era deveras assustador, mas eu ainda assim arrisquei entrar mais na caverna.

 Eu estava animado, mas também estava com medo, com o que poderia encontrar. Após passar por duas portas, encontrei um pokemon, mas parecia que o jogo havia travado, pois eu não podia me mover para falar com ele, mas ele andou para mais fundo na caverna.

Quanto mais me aventurava na caverna, mais assustador ficava. A próxima parte da caverna parecia por um nevoeiro e a música parecia ter ficado distorcida, como se fosse um lamento.
Fiquei completamente chocado com o que vi no fim da caverna.

Havia uma pessoinha deitada na frente do pokemon, ela parecia estar amarrada.O pokemon então começou à vir na minha direção e eu não podia recuar. A cena de batalha começou em seguida, e antes de eu poder chamar qualquer pokemon, hypno usou sua hipnose em meu personagem.

Depois que dormi a cena de batalha terminou e hypno estava em pé na frente de meu corpo. Eu apertei todos os botões para ver se acordava meu personagem, mas nada parecia funcionar. Ele começou a arrastar meu personagem até junto à menina que estava amarrada e amarrou meu personagem também.

Ele ficou me observando dormindo por alguns segundos e em seguida a tela ficou negra.

Alguns minutos depois aparece a seguinte frase na tela:

"Algumas horas mais tarde..."

A caverna está mais escura do que antes e hypno está segurando algo. Então percebo que é o pêndulo, que ele começa a balançar. O lugar ficou com uma névoa vermelha e os olhos de hypno também estão vermelhos.

Na caixa do diálogo aparece a frase:

"Hypno está causando pesadelos"

Então, um som agudo veio dos auto falantes e tive que abaixar o volume. Parecia que os corpos da menina e do meu personagem estavam começando a sangrar. Então uma linha vermelha desceu de suas bocas e eles ficaram envoltos em poças de sangue.

Hypno está lá e parece começar a rir, a tela começa a se dissolver em preto, e na caixa de diálogo pode-se ler:

"O menino não foi esperto, agora ficará comigo para sempre."

O jogo reinicia em seguida e volta à tela de abertura, mas não há a opção de continuar o jogo.

Hypno é um pokemon psíquico com um passado obscuro. Ele era meu favorito até isso acontecer.

Espero que algum dia... eu pare de acordar assustado com queimaduras em meu corpo e marcas de corda em meus pulsos."

Além disso, numa viagem às ilhas de pokemon FireRed, o jogador se depara com um mistério: uma menina havia sido sequestrada e ninguém sabia com quem e aonde ela estava. O jogador encontra a menina assustada num bosque, e ela lhe diz: "ele vai chegar, ele está aqui, ele já está entre nós". E em seguida hypno aparecia em batalha contra o personagem.

Ele também aparece no episódo 27 da primeira temporada do anime. Onde Ash, Brock e Misty param numa cidade em que crianças estão desaparecendo misteriosamente e pokémons estão agindo de forma estranha, e as ondas de sono emitidas por hypno podem ser a a solução do mistério. Apesar do episódio não se relacionar muito com a lenda (tendo, de fato, surgido antes dela) é um ponto de referência interessante e com certeza foi um dos pontos geradores da lenda.




 E, para terminar, um gameplay da hack de hypno em pokémon FireRed (não é a mesma hack mencionada no conto).





Créditos:
Canção: Canal Amanda Please (https://www.youtube.com/watch?v=4KgzFqSAOO8)
episódio:Canal Mundo Pokémon (https://www.youtube.com/watch?v=fCjgB_A62hU)
letra e tradução da canção: Vagalume (http://www.vagalume.com.br/pokemon/hypnos-lullaby-traducao.html)
(Também quero agradecer ao nosso novo integrante, o Rake, por ter arranjado o episódio e a gameplay. Valeu, Rake!)

Por hoje é só. Se gostarem, sigam o blog e divulguem. Comente o que você achou. Sua opinião é importante. Também divulgue para os amigos e curta nossa pág no facebook. E diga nos comentários qual creepypasta você quer ver aqui nos próximos meses.

Até a próxima.




 



sábado, 1 de março de 2014

Em seus sonhos


  Olá, saudações à todos.
  Se você já estiver lendo isso, é melhor que leia tudo até o fim. Caso contrário, você estará totalmente despreparado para enfrentar aquilo que te espera. Portanto, atenção.
  Na próxima vez em que você dormir, você terá o pior pesadelo da sua vida. Você estará plenamente consciente de que está sonhando, e, por mais que tente, não conseguirá acordar. É como se você estivesse preso em sua própria mente.
  E, de fato, você estará.
  E não pense que o fato de tudo estar acontecendo na sua mente faz com que não seja real. O que acontecer no sonho terá consequências no mundo real. Tanto boas quanto más.
  No pesadelo, você estará em um grande corredor mal iluminado, e terá alguma coisa atrás de você. Não gaste muito tempo parado, ou ele pode se aproximar e te pegar. Caminhe sempre para frente e não pare por nada. Não ande muito rápido ou corra, pois isso irá irritar ele, e não ande devagar, pois isso tornará mais fácil para ele te pegar.  Lembre-se, ele está bem atrás de você.
  Mas então você pergunta:"quem é "ele"?
  Ele é a coisa da qual os pesadelos são feitos, ele é a coisa que te espreita no escuro, que se alimenta do seu medo. E ele estará atrás de você.
  E você pode ter certeza que ele não tem boas intenções.
  Durante o pesadelo, você nunca, eu disse NUNCA, deve olhar para trás. Você vai ouvir barulhos estranhos atrás de você, como estalos, passos e gritos, e pode até sentir um bafejar no seu pescoço, mas você jamais deve olhar para trás. Porque, se o fizer, ele vai pegá-lo e arrastá-lo para o lugar onde ele vive, para o canto mais escuro da sua mente.
  E você não vai querer ver o que tem lá. Acredite em mim.
  Após um tempo caminhando, você chegará ao final do corredor. E é o que há no final dele que define se você vai sobreviver ou não.
  Se no final do corredor houver uma porta, considere-se com sorte. Você tem uma chance de sobreviver. Você sentirá uma chave no seu bolso, você deve usá-la para destrancar a porta antes que a coisa se aproxime demais. Mas lembre-se de trancar a porta depois de passar. Não trancando a porta, você deixa a única entrada e saída de sua mente aberta, o que permite a saída dele para  mundo real. Se não trancar a porta, você vai passar o resto da vida vendo a sombra dele pelo canto do olho. Você nunca poderá vê-lo por completo, mas ele sempre estará lá, te vigiando.
  Especialmente na hora de dormir.
  Mas, se ao final do corredor houver uma grade que impede a sua passagem para o outro lado, então eu sinto muito por você.
  Porque você nunca mais irá acordar.
   Bem, é isso.
   Acho que já é hora de ir pra cama.
   Boa noite.
   Te vejo nos seus sonhos...

domingo, 23 de fevereiro de 2014

NOVO INTEGRANTE!!!

Fala pessoal:

Eu sou o novo integrante.Vocês podem me chamar de Rake,em breve estarei fazendo algumas postagens aqui no blog junto com o pterror ou Pedro Pacheco (como vocês o conhecem) deixando vocês arrepiados.

Então é isso obrigado e até próximos posts!!!

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

creepypastas: pesadelos (especial de sexta feira 13)

  Você acorda no meio da noite com algo te cutucando. Você levanta e vê que era a sua filhinha.
   "olá, meu anjo", diz você, "algum problema?"
  "eu tive um pesadelo, papai" diz ela.
   você suspira, já acostumado, diz, " você quer subir na cama e me contar sobre ele?"
   "Não, papai", ela responde, " porque no pesadelo, quando eu contei do pesadelo pra você, a coisa que veste a pele da mamãe te matou."
    Você começa a tremer e a suar, e de repente, os cobertores ao seu lado começam a se mexer...

creepypastas: the happy puppet syndrome (a sindrome do marionete feliz) (especial de sexta feira 13)

Era pra ser simples, nós achávamos. Pegue um pouco de cromossomos, os corte, os coloque lá e uau, o ser humano perfeito. Ainda não tenho certeza do que deu errado. Talvez um erro de cálculo, ou algo além do nosso controle, quem vai saber ?

 Nós (eu e alguns colegas psicólogos) estávamos intrigados com as emoções humanas. Raiva, emoção, euforia, desespero. Seria possível bloquear a mente em apenas uma emoção? bloqueá-la em um estado de completa euforia? de modo que nenhuma tristeza ou raiva ofusque seu pensamento? teoricamente, sim.

Não vou descrever os procedimentos de nossas experiências, tanto porquê não quero que você as repita, quanto porquê não quero que você enlouqueça. As coisas terríveis que fizemos. Eramos ambiciosos, jovens, nada poderia nos deter nem ninguém poderia nos dizer que estávamos errados. Tudo o que vou dizer é que pegamos algumas células tronco e as alimentamos em fetos. O experimento foi chamado de "the angel man project" e o objetivo era criar um ser que sentisse apenas felicidade, mas algo deu errado.

 Metade das cobaias morreram inesperadamente, sem aviso prévio ou causa justa. A metade restante em sua maioria nasceram horrivelmente desfiguradas. 3 nasceram bem, perfeito, pensamos. Um ser humano com capacidade mental superior à qualquer outro, devido a seu estado de euforia constante.
Eles eram perfeitamente normais até os dezoito meses de idade. Foi quando apareceram os  primeiros sintomas. Falta de equilíbrio, dificuldade para dormir e comer, baixa capacidade de resposta. No fundo, estávamos todos em pânico, mas por fora, permanecemos calmos e continuamos o projeto. Devíamos ter parado ali, pego as cobaias e as sacrificado e então queimado e fechado o laboratório, mas continuamos.

As coisas só pioraram. Os movimentos deles se tornaram cada vez mais esporádicos e eles ainda não poderiam proferir palavras, embora pudessem rir e faziam isso muitas vezes. Muito frequentemente. Não um riso feliz, mas quieto, quase que um sorriso nervoso e constante. Não importava quanta dor era infligida sobre a cobaia, ela simplesmente te encarava e ria, como se estivesse zombando de você, chamando de fútil suas tentativas de a prejudicar. 

Esperávamos que as cobaias tivessem capacidade extra de aprendizagem, mas ocorreu o contrário. O desenvolvimento mental delas era severamente atrasado. Elas não conseguiam prestar atenção em algo por mais de alguns minutos antes de cair na risada. Mas continuamos, esperando que estes sintomas sumissem conforme as crianças ficassem mais velhas. Demos um nome para os sintomas, "the happy puppet syndrome", pois os movimentos irracionais das crianças faziam parecer que elas eram fantoches em corda.

 5 anos no projeto e percebemos que não havia esperança. Não aguentávamos mais o riso incenssante das crianças, como se elas soubessem de algo que não sabemos. Ver uma criança rir histéricamente se contorcer esporadicamente é uma coisa assombrosa. Dois dos meus colegas já tinham saído porque não aguentavam mais. Eu nunca mais ouvi falar deles depois disso, provavelmente estão mortos

 As crianças não tinham falado por 5 anos. Apenas riam sua risada condenada. Entramos para dar o café da manhã a eles e eles nos olharam com seus olhos enormes, contraindo-se, rindo e sem dizer nada. Deixamos a refeição na frente deles e saímos. A comida estava com toxinas que iriam mata-los em silêncio e sem dor. Era algo doloroso a se fazer, mas tinha de ser feito. Mas não era tão simples.

Um dos meus colegas colocou uma bandeja de comida na frente de um dos garotos, o riso parou. O menino olhou para meu amigo, de repente seus olhos ficaram escuros e ele muito sério.

 Eles continuaram a olhar para ele e se contorcerem por um tempo. Meu amigo estava em choque e não se moveu. Eu e meus olégs estávamos com caneta e bloco de notas, prontos para escrever. De repente, meu amigo caiu de joelhos, segurando a cabeça e gritando furiosamente. Ele pareia sentir muita dor. Meus colegas e eu estávamos tão surpresos, não pudemos fazer nada, apenas assistir, ele caiu no chão se contorcendo e gritando palavrões. Ele s bateu violentamente algumas vezes, e depois ficou quieto

 Segurei o impulso de passar mal, com mais sucesso que alguns de meus colegas. Algo sobre isso não era normal. Uma presença negra que parecia uma torre sobre nós. Imediatamente selamos a entrada. O menino parou, olhou para a porta, e riu. Ele caiu, se contorcendo e rolando de rir loucamente. Os outros dois fizeram o mesmo. Após alguns minutos o ajuste parou e eles se  levantaram ainda se debatendo, ainda rindo.

 As luzes se apagaram. Eu ouvi batidas, vidro quebrando, gritos. A coisa mais terrível de todas, foram os sussurros assombrosos, junto ao riso silencioso. Quando as luzes se acenderam, as cobaias haviam desaparecido. Dois dos meus colegas estavam inconscientes ao meu lado, seus corpos estavam torcidos em ângulos estranhos e com sangue escorrendo de suas bocas. No início, eles pareciam estar mortos. Eles não mostravam sinais vitais. Mas eu me inclinei um pouco e ainda podia os ouvir rindo, ainda que lentamente. Fui examinar meu amigo. Sem pulso, sem respiração, mas eu ainda podia ouvi-lo rindo baixo.                                                                                                                                                                           Embora as cobaias tenham sumido, eu ainda sentia como se algo me observasse, algo que estava apenas na borda da mnha visão, mas que eu nunca seria capaz de ver.

Eu e um colega restante fechamos tudo imediatamente. Antes de sair, destruímos nossa pesquisa e bloqueamos o laboratório. Perdi a comunicação com meus colegas. Presumo que esteja mortos.

Ainda me sinto vigiado. Ainda ouço o riso, o sussurro, nos meus sonhos e as vezes quando estou acordado. Quando isso acontece, eu corro. Eu me levanto e saio de qualquer lugar que eu esteja. Não sou capaz de ficar num mesmo lugar mais que alguns dias por causa disso.

Isso se espalhou. Outras crianças foram vistas com sintomas semelhantes. Eu não faço a menor ideia de como isso se espalhou, não era pra ser algo que se espalha. Alguém em algum lugar fez algo sobre a disjunção do cromossomos 5, que manteve as pessoas felizes e no escuro, por agora. A doença foi chamada de "síndrome de angelman". Até agora os surgimentos não foram perigosos, mas eu sei que os originais ainda se escondem em algum lugar.

Sei que eles vão vir atrás de mim, sei que vão me encontrar, aceito isso, é o que recebo por mexer na natureza. Deixo esta carta como um aviso. Eles estão indo atrás de você também. Estão indo atrás de todos nós. Se alguma vez vc ouvir sussurros, risos á beira do seu ouvido, corra. Se alguma vez você sentir que há algo na borda da sua visão que você não consegue ver, simplesmente corra.

Além disso, vou lhes avisar isso:

1) Não mexa com o que não é seu.

2) Mesmo os anjos, podem ser demônios disfarçados.

3) Não venha até mim. Sou tão bom quanto morto.

Este manuscrito foi encontrado em um laboratório abandonado e escondido no fundo de uma floresta no Alasca. O laboratório consistia em uma sala de observação e uma de contenção. A sala de contenção foi bloqueada, e o aboratório inteiro parece ter pegado fogo de um ponto. Vestigios de sangue foram encontrados após o quarto de contenção ser violado, e uma janela foi quebrada. A natureza exata deste laboratório é ainda desconhecida.

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Creepypastas: Sr Bocalarga

     Olá leitores! sejam bem vindos à segunda creepypasta da nossa serie mensaL. Lembrando que elas serão postadas todo dia 13 de cada mês, e quero pedir desculpas pelo atraso da creepy do mês, mas é que meu PC está com um defeito e eu estava estudando para uma prova. E, sem mais delongas, vamos à creepy do mês:

      " Durante minha infância, minha família era como uma gota d'água em um grande rio, nunca ficava no mesmo lugar por muito tempo. Nós nos estabelecemos em Rhode Island quando eu tinha 8 anos, e lá ficamos até eu entrar parna uma faculdade em Colorado Springs. A maioria das minhas memorias estão enraizadas em Rhode Island, mas existem fragmentos no fundo do meu cerebro que pertencem a varias casas em que vivemos quando eu era muito mais novo.
          
     A maioria destas memórias são sem sentido e não estão claras- perseguindo outro garoto no quintal de uma casa na Carolina do Norte, tentando construir uma jangada para flutuar no lago atrás do apartamento que alugamos na Pensilvânia, e por aí vai. Mas tem esse conjunto de memórias que eu me lembro claro como água, como se tivesse acontecido ontem. Eu constantemente fico divagando se essas memórias não foram apenas sonhos lúcidos produzidos por uma longa gripe que tive naquela primavera, mas no fundo do meu peito, sei que são reais.
     
     Nós estávamos vivendo em uma casa nos arredores da metrópole de New Vyneard, Maine, população 643. Era uma estrutura larga, principalmente para uma família de 3 pesssoas. Havia alguns quartos nos quais eu nem sequer tinha entrado ainda nos 5 meses em que morávamos lá. De certa forma era desperdício de espaço, mas era a única casa disponível no mercado naquela época, pelo menos era a uma hora de distância do trabalho de meu pai.

     No dia depois do meu quinto aniversário (com presença apenas dos meus pais), fiquei com febre. O médico disse que eu tinha Mononucleose, o que significava nada de brincadeiras pesadas e mais febre por pelo menos mais três semanas. Foi horrível ficar de cama- estávamos no processo de empacotamento das nossas coisas para nos mudarmos para a Pensilvânia, e a maioria das minhas coisas já estavam empacotadas em caixas, deixando meu quarto vazio e desconfortável. Minha mãe me trazia ginger ale (refrigerante local) e livros várias vezes por dia, e essas coisas tiveram a função de ser minha forma de entretenimento pelas semanas seguintes. O tédio vinha sempre me atormentar, esperando os momentos certos para me atingir e piorar mais ainda minha miséria.

    Eu não me lembro exatamente como conheci o Sr Bocalarga, eu acho que foi tipo uma semana depois de eu ter sido diagnosticado com mononucleose. Minha primeira memória da pequena criatura foi perguntar se ele tinha um nome, ele me disse para chamá-lo de Sr Bocalarga, pois sua boca era larga. De fato, tudo nele era largo em comparação ao corpo dele- a cabeça, olhos, orelhas pontudas- Mas sua boca era de longe a mais larga.

   " Você parece um furby." eu disse enqunato olhava um dos meus livros.
   " O que é um furby?" perguntou ele.
   Eu encolhi os ombros. "Você sabe... o brinquedo. O pequeno roô com grandes orelhas. Você pode criá-lo  e dar comida, como se fosse um bichinho de verdade."
   "Ah." Resmungou ele. " Você não precisa de um desses, não é a mesma coisa que ter amigos de verdade."

   Eu lembro do Sr Bocalarga desaparecendo toda vez que minha mãe vinha dar uma olhada em mim."Eu me escondi embaixo da sua cama."Explicou  ele. "Eu não quero que seus pais me vejam porque tenho medo de que não nos deixem brincar juntos de novo."

   Não fizemos muitas coisas nestes primeiros dias. O Sr Bocalarga apenas olhava meus livros, fascinados pelas histórias e leituras que eles continham. Na terceira ou quarta manhã depois de eu conhecê-lo, ele me saudou com um largo sorriso no rosto. "Eu tenho um jogo que nós podemos jogar." Disse ele. "Mas seus pais não podem nos ver jogar. É um jogo secreto."

  Depois que minha mãe me entregou mais livros e  refrigerante, Sr Bocalarga saiu de baixo da minha cama e puxou minha mão. " Nós temos de ir pro quarto no fim do corredor." Ele disse. Eu protestei de início, pois meus pais haviam me proibido de sair da cama sem a permissão deles, mas Sr Bocalarga persistiu até eu ceder.

  O quarto em questão não tinha móveis ou papel de parede. Seu único traço característico era a janela em frente à porta. Sr Bocalarga disparou pelo quarto e abriu a janela com um puxão firme. Então me chamou para olhar o chão lá embaixo.
 
   Nós estávamos no segundo andar da casa, mas era sobre uma colina, e por esse ângulo a queda era mis longa do que o esperado pela inclinação. "Eu gosto de brincar de fingir aqui em cima,'' o Sr Bocalarga explicou. "Eu finjo que tem um grande e fofo trampolim embaixo da janela. Se você finjir bem forte você quica de volta pra cima bem alto. Eu quero que você tente."
  
   Eu era um menino de 5 anos de idade e febril, então apenas um pouquinho de ceticismo passou pela minha mente enquanto eu olhava para baixo e considerava as possibilidades. "É uma queda muito alta," comentei.

  " Mas é tudo parte da diversão," ele disse. "Não seria divertido se fosse uma queda curtinha, se fosse assim você poderia muito bem pular de um trampolim comum."

  Eu brincava com a ideia na minha cabeça, imaginando-me cair através do vento frio para então quicar em algo invisível a olhos nus de volta no ar e voltar para a janela. Mas o realismo prevaleceu em mim. "Talvez outra hora," eu disse, "acho que não tenho tanta imaginação assim. Eu posso me machucar".

  O rosto dele se contorceu em um rugido, mas apenas por uns segundos. A raiva deu lugar ao desapontamento. " Se você diz..." ele disse. Passou o resto do dia debaixo da minha cama, calado feito um ratinho.

   Na manhã seguinte o Sr Bocalarga chegou segurando uma pequena caixa. "Eu quero te ensinar malabarismo," ele disse, "aqui estão algumas coisas que você pode usar para praticar antes que eu comece a te dar lições.''
 
   Eu olhei a caixa, estava cheia de facas. 'Meus pais vão me matar!" eu gritei, horrorizado. ''Eles vão me bater e me deixar de castigo por um ano!"
 
   Ele franziu a testa. "É divertido fazer malabarismo com isso, eu quero tentar." Disse ele.

  Eu empurrei a caixa para longe. " não posso, vou me meter em encrenca."

  O franzir de testa do sr Bocalarga se tornou uma carranca. Ele pegou a caixa de facas e foi para debaixo da cama. Eu comecei a pensar na frequência com que ele ficava abaixo de mim.

  Eu comecei a ter problemas para dormir com isso. O Sr Bocalarga me acordava no meio da noite, dizendo que ele havia colocado um trampolim de verdade abaixo da janela, que eu não poderia ver porque estava escuro. Eu não cedia, mas ele ficava me persuadindo.

  Ele não era mais tão legal pra brincar.

  Minha mãe entrou no quarto uma manhã e disse que eu tinha permissão para dar uma volta lá fora. Ela pensou que um pouco de ar fresco seria bom para mim, especialmente depois de ficar confinado no meu quarto por tanto tempo. Entusiasmado, coloquei meus tênis e disparei para a porta dos fundos, gritando de alegria por sentir de novo o sol em meu rosto.

 O Sr Bocalarga estava esperando por mim. ''tem uma coisa que quero que você veja." Disse ele. Devo tê-lo olhado estranho, porque ele disse: "é seguro, prometo."

 Eu o segui até o começo de uma trilha estreita que adentrava a floresta atrás da casa. "Esse é um caminho importante." Ele explicou."Eu tenho muitos amigos da sua idade. Quando eles estão prontos, eu os levo pra dentro dessa trilha , para um lugar especial. Você não está pronto ainda, mas um dia espero que esteja."

 Eu voltei pra casa, me perguntando que tipo de lugar podia haver dentro da trilha.

 Duas semanas depois de conhecer o Sr Bocalarga, a última demanda das nossas coisas estavam sendo colocadas em um caminhão de mudança. Eu estaria dentro da cabine daquele caminhão, sentado perto de meu pai pela longa viajem. Eu considerei contar ao Sr Bocalarga que estava partindo, mas, mesmo aos cinco anos de idade, eu suspeitava que a criatura tinha intenções não muito boas, considerando as coisas que me disse anteriormente, então mantive a partida em segredo.

 Meu pai e eu estávamos no caminhão ás 4 da manhã. Ele esperava chegar na Pensilvânia pela hora do almoço do dia seguinte, com a ajuda de uma carga infinita de café e um pacote de energéticos. Parecia mais que ele ia correr uma maratona do que iria passar o dia todo num carro.

 "É cedo o suficiente para você?" perguntou ele.

   Eu acenei e encostei minha cabeça contra o vidro, esperando dormir algumas horas antes do sol nascer. Senti a mão de meu pai em meu ombro. "Essa é a última mudança filho, prometo. Sei que tem sido difícil pra você, por ter ficado tão doente...assim que papai for promovido poderemos sossegar e você pode fazer amigos."

 Abri meus olhos assim que o veículo começou a se mover. Vi a silhueta do Sr Bocalarga na janela do meu quarto. Ele permaneceu em pé sem demonstrar emoção nenhuma no rosto até o caminhão entrar na estrada principal. Então ele acenou com a mãozinha pequena, com uma faca na mão. Não acenei de volta.

  Anos depois, eu retornei para New Vineyard, o pedaço de terra onde antes ficava minha casa agora estava vazio, exceto pelas fundações, pois a casa queimou alguns anos depois de termos nos mudado. Por curiosidade, segui a trilha estreita que Sr Bocalarga havia me mostrado. Parte de mim esperava que ele pulasse de trás de um árvore, me dando um baita susto, mas eu sentia que ele tinha ido embora, de alguma forma amarrado à casa que não existia mais.

  A trilha terminava no cemitério memorial de New Vineyard.

   Eu notei que a maioria dos túmulos pertencia à crianças."

Creditos do texto: blog Sintonia Alcalina:http://sintoniaalcalina.blogspot.com.br/2013/01/creepypasta-sr-bocalarga.html
Creditos da imagem:blog Mundo das Creepypastas:http://mundodascreepy.blogspot.com.br/2013/07/sr-bocalarga.html



E a creepy do mês fica por aqui, pessoal! se gostaram divulguem e sigam o blog, e também curtam e divulgam a página do blog no facebook. E sugiram quais creepypastas vocês querem ver aqui nos próximos meses!
Obrigado por lerem, valeu , falou e até mais...


 
Eu acenei e encostei minha cabeça contra o vidro, esperando dormir por algumas horas antes do sol nascer. Eu senti a mão de meu pai no meu ombro. "Essa é a última mudança, filho. Eu prometo. Eu sei que tem sido difícil para você, por ter estado tão doente... Assim que papai for promovido nó podemos sossegar e você pode fazer amigos."  - See more at: http://sintoniaalcalina.blogspot.com.br/2013/01/creepypasta-sr-bocalarga.html#sthash.QhUmekhh.dpuf